bloco miragem (2021-)

Bloco/performance que dá continuidade aos tensionamentos realizados dentro do “MDS”, levando as reflexões desse trabalho para o espaço público, para o carnaval de rua, para o espaço do retrato (em oposição ao autorretrato), para a fantasia que adereça o corpo queer. O carnaval foi escolhido tanto por ter sido o motivo pelo início do meu interesse na produção de indumentária, quanto por eu acreditar não haver maior momento de extrapolação das possibilidades de pessoas queer expressarem sua individualidade em público. A ideia era que a performance ocorresse no primeiro carnaval após o fim da pandemia, como uma forma de comemoração e reocupação do espaço público que estava interditado. Ainda, por conta das restrições impostas pela pandemia, tornaram-se pouco frequentes momentos (como o carnaval de rua) em que pessoas queer tinham a liberdade de expressar suas individualidades de forma coletiva no espaço público. Acredito que, sem essa possibilidade, os processos de autoconhecimento e de construção individual da pessoa (queer) acontecem em outros termos. Essas questões continuam reverberando durante a produção desse trabalho, que ainda está em curso.