arara (2022)

Instalação composta por uma capa protetora para roupas de 4,4m de altura com uma base de 1m  de diâmetro, presa no chão por quatro pregos, e suspensa por um cabide. O trabalho aborda a construção da identidade queer, batalha que se dá muito diretamente no campo da aparência, aborda as possibilidades e mutações presentes na vivência queer. Também traz o ato de cobrir, de velar, muito presente na minha prática, mantendo abertas as possibilidades acerca do que está coberto. Cobrir como uma forma de expandir as possibilidades do que está embaixo. É a capa que cobre a roupa, que cobre o corpo queer. Pretendo, também, continuar explorando essa forma da capa protetora de outras maneiras, tomando-a como uma metáfora para as possibilidades que a vivência queer carrega.